Natal, uma festa pagã - Guia Definitivo [2/3]

Certamente não somos OBRIGADOS a celebrar o natal. Mas não há como negar que esta época do ano nos dá uma oportunidade GIGANTE para lembrarmos do que Deus fez por nós...

Posted by Fellipe Brito on December 14, 2016

Certamente não somos OBRIGADOS a celebrar o natal. Mas não há como negar que esta época do ano nos dá uma oportunidade GIGANTE para lembrarmos do que Deus fez por nós.

Eu tenho como missão pessoal ser um facilitador entre Deus e os meus amigos. Muitos dos meus amigos são ateus. Muitos só ouviram o evangelho da boca de pregadores da TV. Muitos acham que o Deus de Israel é mal e vingativo. Que toda a história de Jesus não passa de uma fábula. E durante um mês, eu tenho o mundo inteiro aberto e disposto a ouvir novamente a mensagem de quando Deus largou tudo e veio até aqui para nos salvar. Essa é uma oportunidade incrível que não pode ser desperdiçada.

Veja por exemplo o que acontecia no Velho Testamento. Deus instituiu festivais anuais que tinham como objetivo relembrar os feitos de Deus. Todos os anos, as pessoas paravam para relembrar o que Deus havia feito. Estas festas continuaram por séculos. Mesmo geração após geração eles ainda se lembravam da saída do Egito como se tivesse acontecido anteontem.


Abrindo um parenteses aqui. Há uma febre Judaizante que toma conta dos cristãos de tempos em tempos. Essa não é uma novidade e foi um problema que o próprio apóstolo Paulo teve que lidar logo no primeiro século. Não irei me alongar mais nisso porque este não é o objetivo desse texto, mas vale a pena lembrar aos judaizantes, que defendem apenas as celebrações que estão nas escrituras, que o Hanukkah não se encontra nas escrituras.


O foco do natal é JESUS! Como alguém pode falar que comemorar o natal tem um significado pagão?

Há, mas e a árvore de natal? E os presentes? Bem… já que você perguntou, vamos lá.

Uma das músicas mais famosas de natal é Oh Christmas Tree (https://www.youtube.com/watch?v=Zw_r2YLuFyc). Ouça essa música, leia a letra dela. É claro o propósito do compositor. Ele pega uma expressão cultural (pinheiros são muito comuns no inverno do hemisfério norte) e insere o evangelho nele. É nítido que o compositor está falando sobre Jesus, mas ele usa a árvore de natal para de maneira poética comunicar essa mensagem.

Da mesma maneira que Davi falava que Deus era uma Rocha, ou o Vento, ou um Pastor. Davi não estava adorando uma Rocha quando fala isso. Assim como os compositores atuais não acham que o Fogo, a Chuva, o Mar ou um Leão são deuses. Mas você lê os salmos de Davi sem esse preconceito, e canta as músicas da sua igreja sem problemas. Porque o problema é apenas com o pinheirinho?

De novo, um peso, duas medidas. Não confunda cocô de grilo com crocodilo.

E os presentes de Natal? Sim, pode ser que houvesse um significado pagão por trás disso. Mas não tem mais! Simples assim. A humanidade ganhou o maior presente da história quando Jesus nasceu e eu reflito isso dando um presente pra minha esposa, um jantar pra minha família, ou uma gorjeta maior para o garçom.

Temos LIBERDADE para REINVENTAR eventos culturais com um novo significado espiritual.

Este é o segundo post de uma série de 3. Para ler o primeiro clique aqui, e para ler o ultimo aqui.